Jubileu: o que celebramos?

A origem do Jubileu é bíblica. Em Levítico, capítulo 25, vemos que o povo anunciava, ao som da trombeta, um acontecimento solene, uma grande festa: o “ano da graça do Senhor”. O Jubileu implicava em algumas obrigações por parte de todo povo hebraíco: deixar descansar a terra; libertar os escravos; perdoar as dívidas.

 

Descansar a terra: Jubileu, na tradição bíblica, é tempo para recuperar a terra, de sentir e saborear o que produzimos nesses 25 anos. No processo de Revitalização da Pastoral da Juventude Latino-Americana, o Jubileu do DNJ é tempo para discernimento: os frutos do nosso trabalho sustentam a quem? O que construímos deu conta dos desafios do nosso tempo? Quais desafios vamos enfrentar nos próximos 25 anos?

 

O Jubileu é o ano da graça do Senhor, dado por Ele para que possamos experimentar e fazer uso do fruto do trabalho para que o pobre sobreviva. Há aí uma profunda ética envolvida: a da justiça. Em sintonia com a Campanha da Fraternidade 2010, o Jubileu dos 25 anos do DNJ é tempo para cuidar do pobre, para pagar as dívidas, partilhar os frutos.

 

Libertar os escravos: o Jubileu é tempo de celebrar com maior alegria, pois os escravos voltam para casa, ao som das trombetas. O Deus que cuida do povo liberta a todos, não há mais escravidão, somos livres. A Semana da Cidadania deste ano propõe uma reflexão sobre o trabalho. No sentido da comemoração jubilar, o trabalho tem de ser livre de opressão, da exclusão e exploração, para ser fonte de vida digna para todos/as. Jesus, vem pra proclamar o ano da graça do Senhor (Lc 4, 16-30), ano para dar vida e liberdade aos pobres. Ano da justiça. Tempo para voltar pra “casa”, organizar a “casa”, resgatar a cultura, como nos propõe a Semana do Estudante 2010.

 

Perdoar as dívidas: Jubileu é o tempo de proteger os/as preferidos/as do Pai, os/as pobres. Cuidar da justiça, restabelecer a igualdade. Na tradição judaica, era a ocasião de devolver as terras aos que a perderam para outros. Redistribuir a riqueza, dom de Deus para todos/as, como também nos lembra a CF 2010. No Jubileu, provamos a bondade de Deus: os bens não podem acabar nas mãos de uns poucos.

 

25 anos de DNJ nos provoca também a cobrar dívidas. Quais dívidas sociais o Brasil tem com a juventude? Diante do contexto e das estruturas que organizam o extermínio da juventude, quais os desafios para proteger a vida?

 

O Dia Nacional da Juventude 2010 será tempo de dar graças pelos 25 anos, fazendo memória do tempo passado e projetando passos e sonhos para o futuro! “Para comemorar um Jubileu é preciso vontade política, coração grande, pulmão aberto para o ar novo e, sobretudo, atenção ao Espírito de Deus, Rúah, que faz o futuro e renova a história. Querer cuidar da vida (Padre Geraldo Marcos Labarrère Nascimento, SJ)”. Em 2010, com a Semana da Cidadania, a Semana do Estudante e a celebração do Dia Nacional da Juventude, queremos viver esse caminho refletindo as dívidas sociais com a juventude, o chão que pisamos, suas marcas e cores para celebrar, sonhar e participar da construção de um tempo de justiça, "Reino adentro”.

 

Comments